sexta-feira, 25 de março de 2011

Ciranda de espinhos


O dia amanhece, e como sempre acontece tudo de novo!
Não fique descalsa,
Não fuja para a rua,
Não suje as mãos,
Brinque dentro de casa,
Vá para a escola e não despenteie esse cabelo!
Tic tac,tic tac,tic tac, minha cabeça era um verdadeiro relógio desorientado.
Acorda,levanta, se alimenta, banho,injeções,colégio,almoço, deveres, jantar, rezar,dormir.
E brincar? Onde ficou?


Uma festa.
Posso ir?
Seu pai é quem  manda.

Então, posso me arrumar?
Se sua mãe ordenar, tudo bem!

Filha, não devo contrariar seu pai.

Choro, grito,descabelo,e fujo.
Nada adianta.
Onde estou tudo parece o mesmo.
Não consigo me desligar.
Estou presa á sombras constantes.

Vou crescendo.
Vou seguindo.
Nem sempre amando.
Nem sei que é o amor.
Só sei que quero ser feliz!
Só quero andar descalsa.
Mas agora já não consigo.

Será que alguém me entende?
Ou apenas me julga.
Não foi minha culpa, isso eu sei.
Meus pés só seguem sentidos opostos.
Nem sempre digo sim
Viver uma vida de "nãos."
Sempre estou indo e vindo.
Não chego a lugar algum.
Sinto tanto por ser assim.
Preciso mudar e não encontro alternativas.
Devo estar perdida?
Não!
Não!
E de novo não!
Não quero esse passado vivo,intranquilo e negativo.
Preciso de mim!
Quero a saída.