terça-feira, 29 de março de 2011

"Caminhos em vermelho"





















Cabelos
Sonhos
Sons
Dons
Tons...em vermelhos

Amor?
Hahaha!
Mistério
Sedução
Chegou outono, e no inverno...vermelho

Querer
poder
ter
quisera
Eu?
Sim
Já era...quem sabe, vermelho

Nudez,
Loucura,
Luxúria,
Talvez,
Ainda?
Não sei, mas acho que é ...vermelho

A ponte que levantara para muitos doidivanos que a mim chegaram...era vermelha
A língua que assassinou tantos mortais que arriscaram a tocarem esses lábios...era vermelha
A carne devassa que entregou,regeitou,arrepiou, iluminou e saciou..era vermelha
As palavras sem sentido,muitas vezes desastrosas,
muitas vezes vergonhosas
muitas vezes preconceituosas
muitas vezes alienadas
muitas vezes dolorosas...eram vermelhas

Também era vermelha a saudade,
insanidade,
tempestade,
amizade,
espera,
e emoção.

Mas nada se compara ao vermelho da tua desgraça
A insensatez de matar com as palavras
A incompetência no agir com delicadeza
Na infeliz certeza premonitória.
Na imensidão de um sentimento frio e vazio.

Vermelho serão seus caminhos.
Caminhos que trarão dúvidas.
O vermelho do arrependimento.
O vermelho do perdão.
O vermelho de uma só gota, inundará teu coração.

sexta-feira, 25 de março de 2011

Ciranda de espinhos


O dia amanhece, e como sempre acontece tudo de novo!
Não fique descalsa,
Não fuja para a rua,
Não suje as mãos,
Brinque dentro de casa,
Vá para a escola e não despenteie esse cabelo!
Tic tac,tic tac,tic tac, minha cabeça era um verdadeiro relógio desorientado.
Acorda,levanta, se alimenta, banho,injeções,colégio,almoço, deveres, jantar, rezar,dormir.
E brincar? Onde ficou?


Uma festa.
Posso ir?
Seu pai é quem  manda.

Então, posso me arrumar?
Se sua mãe ordenar, tudo bem!

Filha, não devo contrariar seu pai.

Choro, grito,descabelo,e fujo.
Nada adianta.
Onde estou tudo parece o mesmo.
Não consigo me desligar.
Estou presa á sombras constantes.

Vou crescendo.
Vou seguindo.
Nem sempre amando.
Nem sei que é o amor.
Só sei que quero ser feliz!
Só quero andar descalsa.
Mas agora já não consigo.

Será que alguém me entende?
Ou apenas me julga.
Não foi minha culpa, isso eu sei.
Meus pés só seguem sentidos opostos.
Nem sempre digo sim
Viver uma vida de "nãos."
Sempre estou indo e vindo.
Não chego a lugar algum.
Sinto tanto por ser assim.
Preciso mudar e não encontro alternativas.
Devo estar perdida?
Não!
Não!
E de novo não!
Não quero esse passado vivo,intranquilo e negativo.
Preciso de mim!
Quero a saída. 

segunda-feira, 21 de março de 2011

"EUTANÁSIA"







Eutanásia por favor!
Grita meu inconsciente após ouvir a confissão dos meus lamentos!
Desejando uma saída letal para não aceitar.
Depois de digerir tantos sinais...custo a crer que estou revivendo o mesmo filme!
Nas entranhas do meu ser, vive uma mulher em busca de suavidade, repouso...não batalha.
Tudo tem se revelado aos poucos...e não sei o que poderá vir de encontro ao muro!
Como uma onda gigante em mares revoltos,minha mente desgorvenada não encontra resgate.
Queria de fato encontrar uma bússula que me desse uma rota suave! Mas nem sei se devo ser resgatada... o cansaso me aniquila.
Não vejo saída para o que sinto agora,queria estar desmemoriada...não lembrar de certos momentos, passar uma borracha.
Caminhos estranhos se cruzam não por mero acaso...
São planejados por uma força maior, que nos põem em discussão,frente ao abismo ...e como segurar?
Estou soltando palavras ao vento, esta doendo preciso dizer...quero correr!
Mas como fazer agora que está aqui? Dentro da minha mente são tocadas suaves melodias e trágicas revelações! Sim.
Sim, ao menos para mim!
Não tenho o atrevimento de percorrer teu passado e espantar as aranhas...sabes bem que elas povoam até os palácios!
Peço perdão!
Não por saber do vinho derramado...mas pelo cálice que trago agora e lhe ofereço!
Não o aceites. Meu veneno pode perturbar-te! Mas se insistes, embriague-se!
Mas não associo esse encontro em nós. Queria poupar-te!
 Não adubes em terreno árido! Tens coragem?
As piores colheitas vem de estações contrárias.
Estou pedindo eutanásia, e você pode ajudar!
Naõ permitas que eu destrua nossas noções de equilíbrio...serás capaz de abrir janelas no céu, e deixar a razão entrar.

sábado, 19 de março de 2011

Assim será?



















Faces, membros,pegadas,trilhos,alcançe.
Disformes,
lamuriosos,
em transe constante.
Assim seria minha vida sem você.
Distúrbio,
solidão,
esteria,
euforia e tensão.
Assim seria minha vida sem você.
Talvez,
quem sabe, será?
Não sei.
Só sinto ou pressinto.
Assim seria minha vida sem você.
A mente desregrada,
desarmada,
desamparada,
e aflita.
Tentando,
vendo,resgatando ou matando.
Assim seria minha vida sem você.
Querendo,
tolerando
precisando,
desejando e esperando.
Assim será minha vida com você.
Perdição,
tentação,
invasão.
satisfação,
busca.
Não há limites para dizer...
O que será da minha vida sem você.
quando não souber mais o que dizer.
e o jogo tornar-se mais confuso.
e o tempo o pior inimigo.
As palavras tornarem-se facas afiadas.
O silêncio um caminho obscuro.
O desejo encolher-se num canto escuro.
Os beijos mas parecerem mordidas de um cão feroz.
As dúvidas teias de aranha.
Não  mais conseguindo uma sintonia perfeita.
Os ruídos tornando-se insuportavéis.
Acabando-se a serenidade.
Não!
Não quero isso que me faria sofrer!
Quero o vento suave batendo no rosto.
Quero a minha tranquilidade adquirida
Quero o que me faz feliz!
Será mesmo que é você?

domingo, 13 de março de 2011

"Estou de volta"
















Então é isso.
Acordo e ouço os acordes da minha mente dizendo...
Hoje será diferente. Percebe?
Mas como não se sente e um tanto dormente meu peito dissolve,
deságua,
derrama.
Preciso me acostumar com mudanças.















Estava sem cuidados nos meus passos.
Sem medir os desastres,
Sem aquilo,
sem isso,
sei lá!












Não quero mais certezas.
Elas são feitas para compromissos que nem sempre são folhas saudáveis.
Saõ folhas secas que o vento espalha.
Que rolam,
Que seguem.













Não tenho mais a sensação de que um "não," vai me afetar.
Perdir a euforia desenfreada.
Estou mais conciente e serena,
Estou semelhante a uma estação de trem que vai e volta, sem guardar os rostos que por ele passa .
Isso é bom.
Isso me faz andar nos trilhos.




















As borboletas estão mais calmas.
As mãos nem tão frias.
O coração ritmado.
O raciocínio lógico.
Isso é bom sinal.
Estou de volta!

sábado, 5 de março de 2011

"Clemência"




















Uma prece insistente e ardente.
Um refúgio para uma alma que queima.
Pelos Deuses do universo me prosto, pedindo clemência!
Pelas culpas existentes que inflamam minha alma,
Pelas mentiras que julguei serem necessárias,
Pelas dores que muito fiz passar a tantos,
Pelos prantos dolorosos ouvidos em meu canto,
Por Shiva, que tudo transforma e destrói o que de pior existir em mim..." Clemência"
Por Allah, que acredita que muitos corações amparados é uma porta aberta no paraíso..." Clemência"
Por Lakshme que tornam tesouros de prata em raros beijos de ouro...."Clemência"
Por Brahma, que criou o universo e resumi que somos sua imagem, e criou o amor nos corações..."Clemência'
Por Zeus, que é o pai dos Deuses, crie em mim a segurança e afaste meus temores..."Clemência"
Por Afrodite, que existe em todas nós e revela nossa força perante as dúvidas..."Clemência"
Por Eros que lutou por seu amor e não permitiu que ela desistisse... " Clemência"
Por nosso Deus, pai eterno, peço ..."Clemência".
Absolve-me dos pecados mais gritantes,
Mas traz-me a coragem que desejo,
Tira de mim esse mar em chamas que consome minha paz,
Faz ocupar em meu coração rosas e não farpas,
Permita que possa ver os olhos que tanto desejo,
Que tanto espero,
Que tanto fujo,
Que tanto preciso para enxergar meu lugar.
Desço a cova todos os dias e não consigo ficar lá.
Entre o abismo e eu ,consigo ser mais terrível!
Estou farta de mim, quem me quer?
Por isso em nome do Deuses que revelo...
"Clemência", é o que peço.

quinta-feira, 3 de março de 2011

" O CORTE"





















Enquanto crescia, sentia o mundo contraindo-se perante a mim.
Em minha volta tudo parecia estreito, pequeno,sem fronteiras.
E eu crescia em observações.
Crescia em dúvidas.
Crescia em volta de mim mesma. E crescia por dentro.
Crescia os olhos sobre um futuro inatingível,
e o via ficando mais distante.
E chorava por crescer a cada instante.
E não me sentia acompanhada, sentia -me solitária em uma redoma invisível.



















Minhas raízes só cresciam de forma desastrosas, profundas como um abismo.
E rasgavam a terra enquanto procuravam espaço
E mais fundo se lançavam.
E sem nemhum limites, não paravam.
Alimentado-se de falsos nutrientes
Sorvendo o líquido poluente dos enganos.
Ocultando-se da luz que lhe faria uma árvore frondosa.
Se fosse uma hera maldita não se espalharia tanto!
E numa venenosa caminhada arrastava-se sem direção.

Mas o tempo se ocupou de encobrir meu menor desastre
mostrando apenas a pior das minhas faces,
a máquina violadora que a tudo devora,
e um corpo sedento sem válvulas de segurança,
que nunca para, nunca para.

Tentando encontrar absolvição para tantas desventuras,
procurei buscar a salvação, a minha cura.
E vasculhei por terras desconhecidas, e risquei muitos nomes das listas.
E quando pensei qua havia terminado minha busca,
que havia encontrado o ser que falava  minha língua...
apenas era alguém, com pensamentos como tantos outros... a ser cortado da minha vida.