sábado, 5 de fevereiro de 2011

" Calvário"












Quando cheguei nesse mundinho louco, disseram que vim acompanhada... mas que não havia lugar para dois.
Foi aí que começou o "sacrifício".
















Aos sete anos, já administrava uma cidade com habitantes muito preocupados em abrir uma fábrica de brinquedos e doces. Era uma linda cidade imaginária!











A noite, quando adormecia,sonhava com seres mágicos de um mundo mais feliz e tranquilo e com meu príncipe dourado.



Houve um período bastante chato quando convivia com pessoas me forçando beber coisas amargas e perfurando meu corpo várias vezes, foi uma época inesquecível! Mas esse cara aí me chamou um dia e disse que era necessário passar por aquilo.






Começaram as crises de identidade, a transição para descobertas mais intensas! Pavores, insastifações,a desordem mental...precisava de ajuda!

Resolvi fugir, sair para encontrar luz,entendimento, paz! Mas não encontrei. Continuava presa a tudo, a todos  apesar da distãncia.
eles não me deixavam tentar ser feliz!
        
Foi então que tive um sonho. Fiz a mesma tragetória do caminho pro calvário, senti as pedras soltas e empoeiradas, os gritos e as pedras que voavam, e um caminho estreito por onde caminhava,aos empurrões. Ao longe pude ver a imagem mais dolorosa, a crucificação. Jamais esqueci, voltei para casa...cumpri meu destino.

Reneguei o casamento com todas as minhas forças!

Vi a morte arrastar muitos dos meus, vi o peso de viver paixões sem nunca me apegar. Vi o tempo passar na busca de um ser perfeito! Eu não era perfeita.

Reconheci em mim uma estranha presença dominadora, intransigente, compulsiva, obstinada,tempestuosa.

Mas não poderia deixar de mostrar o lado Generoso, solidário,disposta a reaprender com tudo que vivi, e desejosa de me encontrar , reconhecer-me no espelho,chamar-me pelo nome e descobrir que sempre fui única...como todo mundo é.