quinta-feira, 17 de fevereiro de 2011

"Desejo em vermelho"














Nunca havia sido beijada assim... estou em apuros!
O vermelho "carmim" já desbotado, pela fúria insaciável que tua boca espalhou.
No íntimo das minhas entranhas, ainda sinto os espasmos involuntários que teu corpo provocastes!
Foi ânsia,
Foi uma louca dança,
Pura liberação! Entrega nua, sem travas...salvação ou perdição de duas almas.










Como uma abelha operária colhestes o mel do botão escolhido.
E fizestes da rosa a mais inteira do jardim.
Nunca havia sido colhida assim!
É preciso astúcia e determinação para afastar intrusos, é preciso vontade para colher sozinho!
















Meus impulsos são vermelhos como o sangue que corre em mim.
Minha impaciência chama-se prazer reprimido, quando não estou ligada a ti.
Sou vermelha, sou chama viva!

                      Não permita que eu me perca!
                              Não aceite que eu vacile!
                                 Não deixe aporta aberta!
             Sou uma dama, mas toda dama tem seu lado contrário












A minha boca tem um poço de delícias intermináveis,
ainda é teu, o doce que ofereço...
Mas sou uma raposa esperta, enxergo longe!
Não quero nada pela metade, quando estiveres comigo.
Não aceito divisão.
Quero a certeza que posso consumir o que me pertence.
Quero me lambuzar feito criança!





















Me toma, como uma entrega perfeita!
Não haverá obstáculos que nos segurem.
Quero reinar no teu corpo.
Quero receber a coroa do teu trono.
Quero afastar os plebeus que me perseguem!
Quero atravessar teu rio a nado sem descanso...mas preciso repousar numa arvore frondosa.