quarta-feira, 23 de fevereiro de 2011

" Mulher de fases"














Há dias em que ela sai por aí, torturando as mentes passivas.
E passa um olhar faminto,
E joga os cabelos ao vento,
E sorri como quem pensa bobagens.
Mas se afasta deixando-as confusas e atordoadas.




















Em outros momentos é a profissional dedicada.
A que não teme nada,
E  fica horas fora de casa,
E satisfeita em dar conta do recado,
Voltando a ser a moça recatada.





















Estando sempre voltada para a salvação.
Enfrenta dolorosas conversas por expiação.
E promete mudar um dia.
E grita baixinho por piedade ao criador,
Que seja resgatada por uma alma divina





















Na dança encontra a excitação inspiradora.
E no corpo o espelho da malícia que desperta sonhos.
No quadril um demônio que serpenteia,
atraindo quem por ela se aproxima com destreza.



Há quem diga que ela possui o dom da atração
Que ampara e aconselha sem olhar a quem.
Que semeia mudanças positivas ao longo do caminho.
Que nunca desampara,
mesmo parecendo ter um coração vazio.


Não podendo ser perfeita, tinha que possuir mil defeitos.
E chora de rir,
E chora porque chora.
E grita em silêncio pedindo aos seus tormentos...
 que a deixem ir embora.
E pede um colo sagrado,
que afague seus cabelos beijando-lhe  a face.
E sonha com o homem idealizado,
aquele que a fará desvendar,
todos os segredos guardados
todos os desejos insanos,
todos os anseios destinados,
para sua alma semelhante.
Seu homem, 
Seu mestre.
E entre as diversas faces de uma mesma moeda,
diversas fases com  estações e tempestades,
a cada dia, um novo dia,
com seus desertos e ilhas belas
a cada amanhecer...
 sempre a mesma mulher.