quinta-feira, 20 de janeiro de 2011

" Corpos entrelaçados"



     O abrigo dos seus braços é acampamento seguro...
     neles encontrarei a certeza de que posso repousar.
     Nunca duvidei que estivesses esperando,
     e no momento oportuno estendesse suas mãos protetoras.
     Dizem que do alto alguém nos observa.
     Dizem também que nunca estamos sozinhos.
     Dizem que só os tolos choram por espinhos.               
     Verdade,
     Tudo passa!
     Só não o imenso amor que tenho a oferecer...
     e se ainda desejas receber, não posso recusar-me.
     Só os covardes mentem por algumas noites.
     Só os egoístas acreditam que tudo lhes pertencem.
     Só os vazios de alma se desligam com tamanha facilidade.
     Dizem que choram na madrugada.
     Dizem também que não sossegam e só vivem de caça.
     Dizem que rastejam e escondem-se...
     debaixo de alguma farsa.
     Isso tudo é pura verdade!
     São de fato feitos do nada.
     São poeiras que o vento espalha.
     São pobres infelizes que se afogam na própria imundicie.
     Mas para quem se entrega de corpo e alma,
     E se doa com tamanha desenvoltura,
     E não permite que a dor o consuma...
     Só paixão,desejo e doces loucuras...
     habitarão o leito sagrado desses corpos entrelaçados.