quinta-feira, 20 de janeiro de 2011

" Corpos entrelaçados"



     O abrigo dos seus braços é acampamento seguro...
     neles encontrarei a certeza de que posso repousar.
     Nunca duvidei que estivesses esperando,
     e no momento oportuno estendesse suas mãos protetoras.
     Dizem que do alto alguém nos observa.
     Dizem também que nunca estamos sozinhos.
     Dizem que só os tolos choram por espinhos.               
     Verdade,
     Tudo passa!
     Só não o imenso amor que tenho a oferecer...
     e se ainda desejas receber, não posso recusar-me.
     Só os covardes mentem por algumas noites.
     Só os egoístas acreditam que tudo lhes pertencem.
     Só os vazios de alma se desligam com tamanha facilidade.
     Dizem que choram na madrugada.
     Dizem também que não sossegam e só vivem de caça.
     Dizem que rastejam e escondem-se...
     debaixo de alguma farsa.
     Isso tudo é pura verdade!
     São de fato feitos do nada.
     São poeiras que o vento espalha.
     São pobres infelizes que se afogam na própria imundicie.
     Mas para quem se entrega de corpo e alma,
     E se doa com tamanha desenvoltura,
     E não permite que a dor o consuma...
     Só paixão,desejo e doces loucuras...
     habitarão o leito sagrado desses corpos entrelaçados.

domingo, 16 de janeiro de 2011

" LILITH"





















Perigoso jogo na qual  é submetida através dos milénios.
Atravessando as intermináveis mudanças  dos tempos.
Munida sempre de  máscaras impostas pela sociedade carrasca.
Exuberante e audaciosa, sem medo de travar batalhas.
Mulher dos ventos que o tempo não a domou.
Criatura da noite que a luz  apagou.
Desejo noturno presente em algum homem  que sonha.
Ameaça constante das pobres senhoras desposadas.
Autoritária e segura...não entrega o jogo sem ver a última carta.
Dribladora dos instintos mais inteligentes...faceira e perversa!
Como um animal espreita sua presa para o duelo final.
Fascinante como uma jóia rara ofusca os olhares mais apurados.
Uma serpente em forma de gente.
Uma dissimuladora com três anjos á sua frente.
Uma perdida querendo encontrar-se.
Quem de fato poderá detê-la? Ninguém!
Animal feroz que rosna  segredos em alguma cama.
Paladar apurado sobre as  bocas envenenadas.
Um cheiro de sedução que a tempestade espalha.
O abismo de quem a procura, e perdido  por ela... se encontra.
A mulher que não aceita estar submissa, é dona de sua posição.
Não divide seu objeto de desejo com ninguém e com destreza a afasta.
Prima dona dos impérios nefastos.
Abismo dos céus de luas negras.
Insulto dos inocentes!
És Lilith, és irmã, és  para sempre!

sexta-feira, 14 de janeiro de 2011

" Última página"

   Adormecida sobre o leito de espinhos deixados pelas suas lembranças...
   Vou sonhando com estradas interrompidas pelo medo das novas descobertas.
   E o que era verdade, mostrou-se explícita mentira!
   E o que era tão desejado agora passa tão despercebido.
   E sonho com castelos medievais, pois agora só te vejo no passado.
   E grito por vastos corredores e não escuto sequer meus ecos.
   E subo até a torre e não te encontro.
   Porque não foi eu quem te descobriu entre páginas escritas...
   Muito menos perdi aos poucos o gosto em te desvendar.
   Perdido entre suas indagãções foi nos iludindo sem medidas.
   Perdido em sua própria  identidade gerou indecisões.
   Perdido no meio de tantos caminhos, escolheu um que na verdade nem queria.
   Não existe culpados entre nós.
   Não pode haver réus.
   O que houve foi irreal, porém mágico!
   Mas como toda fantasia precisa de um final...e a nossa foi mal contada...
   Desejo que outra fantasia começe...nos meus sonhos mais secretos.

quarta-feira, 12 de janeiro de 2011

" A nudez da minha alma"

Sinto que desço a um abismo lento e
duradouro.
As palavras em minha garganta são vidros moídos...rasgam quando desejam sair.
Estou gelada como uma lâpide esquecida pelo tempo.
Meu calor extinguiu-se, não há mais fogo em mim.
Jamais me vi assim. Entregue, indefesa e triste!
Minha alma chora e meus olhos não tem lágrimas...estão fechados para não querer ver.
Havia em mim uma força capaz de gerar mais luz que uma constelação.
Não há mais energia, e sem brilho sou apenas escuridão.
Que culpa tenho se posso ver além do que não quero?
Que mal existe em mim que destrói antes mesmo de ser concebido?
Que maldita certeza habita essa mente,devastando sonhos e arrancando as sementes?
É uma morte antecipada,covarde e cruel.
As duas faces de uma moeda...unidas pelo mesmo propósito.
Uma cadeia sem chaves...mas com guardas á postos.
Não demorei a  perceber que seria incapaz de seguir...não tenho o tempo que gostaria,então por quê prosseguir?
As dores quando chegam cortando a carne, são suavisadas com o alento da esperança.
Mas a esperança não tem carne e não sente a lança que me sai cortando.
Seria pedir demais perdão?
Seria difícil ser compreendida?
A nudez da minha alma se compara a coragem de Lady Godiva,que por amor ao próximo não envergonhou-se e saiu despida!
E pelo amor que em mim se manifestou, mistura de afeto e proteção...
abaixo minha cabeça,
minha alma,
meu coração.
Saio despida de cena,dessa história curta e intensa!
Guardando comigo a doce ilusão.

"A Cobiça"

 
Buscando encontrar respostas para todas aflições do mundo, ainda sem sucesso!
Uma insegurança diante de tantas mentiras, calúnias, decepções!
Embriagada com o cheiro da imundicie das mentes perversas que só expelem ódio!
Atravessando séculos, vencendo barreiras e cataclismas,não muda nada,apenas o cenário.
O maior dos pedradores se encontra aqui no agora,disfarsado de doçura  e vantagens... "a cobiça".
Quererendo prender os mais compulsivos e fracos!
Ofertando seu veneno fatal!
Traduzindo uma linguagem destrutiva porém desejada... "a vantagem".
Sobre todas as camadas dessa terra esconde-se dores,aventuras,pecados e abismos.
Onde haverá misericórdia diante de tantos absurdos revelados?
Outros como forma de segurança são exterminados!
Mas não consigo visualizar nada mais do que o homem brincando do "Criador".
A cobiça existe para nos sinalizarmos da catástrofe que se instala diante das nossas mãos.
Inteligência moderada é sinal de lição aprendida!
Inteligência destrutiva é aquela que perde seus limites e constrói monstros!
Anjos de asas quebradas invadindo ares não permitidos,
Anjos invasores de um tempo já determinado...aceleradores de um relógio malígno!
Posso ver esses anjos vestidos de imagens holográficas com rostos e destinos perdidos.
Estão entre nós, por toda parte.
Nas indústrias mal direcionadas.
No ensino que gera profissionais carrascos.
Nas religiões que usam do abuso de escolhas.
Nas famílias que permitem a extinção infantil por montros disfarsados de pais.
Nas amizades que enterram um punhal com um beijo na face.
Nos romances infelizes começados por puro prazer apenas.
Na falta de identificação com criador e criatura.
Na falta de humildade e na ociosidade.
Mas não posso ser fraca!
Possa ser que ainda exista um anjo desses esperando por mim... muitos deles eu já destruí.
Mas eles sempre retornam disfarsados pensando que me enganam!

  

segunda-feira, 10 de janeiro de 2011

" Clandestinos"

























Espere!
Não tenha pressa !
abra devagarinho as portas do seu pensamento...e viage agora nos seus sonhos!
Você entra, olha tudo ao redor e há pouca luz.
Então sente o vento frio que vem de fora tomar todo seu corpo...um arrepio!
Sentiu?
É  quase noite, céu sem luar e cinzento!
Olha para a paisagem mórbida que vê pela janela ...e ouve os gritos solitários das almas vazias clamando por amor!
Ouviu?
Uma sensação de temor toma conta do seu ser, e reage querendo desistir!
mas antes mesmo de alcançar a saída; seu corpo é envolvido com tamanho abraço.
E o que era solidão, agora tornára-se um duelo de corpos querendo tudo ou nada.
Seus olhos penetram a imensidão que só palavras não poderiam expressar.
A respiração ofegante denuncia que ambos estão prontos! 
Suas bocas muito próximas, ardendo em chamas  únem-se com prazer! Não é um beijo, é uma  fúria de serpentes!
Sinta as mãos percorrendo o que ambos procuram... e naveguem em mares revoltos,
Corpos envolvidos numa energia vital...e exala o perfume da luxúria, é o melhor dos sete pecados!
Vertigens e sussuros em uníssono! Vibram ao ar... e só os amantes mais pervertidos podem escutar.
Labaredas sobem das pontas dos seus dedos...queimam a cada toque onde invadem os desejos!
E a sensação de serem descobertos, lhes impulsionam para a sepultura da cama.
E bailam  rasgando preconceitos,
E esquecem o próprio respeito!
Não há limites dentro desse esconderijo,
desconhecem o pudor, amam o perigo!
E o ápice da glória surge em gritos!
Sentiu?
E a noite vai dormindo feito criança, e o dia dá sinais do seu  despertar!
E os dois então recordam-se que já é hora... e precisam acordar!
E se olham mais uma vez,
E se beijam com ternura,
E  saem cada um, sozinho.
Seguem diferentes destinos, são apenas amantes!
Clandestinos.   ( Aos suspeitos de plantão)

sábado, 8 de janeiro de 2011

"As mulheres que habitam em mim"

























Sempre falarei das mulheres...principalmente das que habitam em mim.
A mulher que não aceita erros,
A mulher que é dotada de desejos,
A mulher que estimula a felicidade e doa sem covardia.

Essa mulher que vos mostro agora não tem limites e reconhece o terreno que pisa.
Uma mulher vassala, porque é a  mais destemida!
Uma mulher das conquistas, porque não perde uma luta!
Uma mulher que combate sem olhar a quem...porque a razão prevalece!
Uma mulher que não conhece mais o ódio, mas sabe como se defender!

Essa mulher que apresento sem medo...
também chora quando ama,
também perdoa,
também reconhece seus erros,
também estimula o bem maior,
também ora porque é amada pelo criador.

Essa mulher que sustenta um estandarte, tem como lema a vida!
maneja bem a sua espada com lâminas altruístas, e segue enxugando as lágrimas pelas dores alheias.
Essa mulher que está saindo gora,
Sempre será a mesma mulher... aquela que ama incondicionalmente, mesmo diante do seu maior pretendente.
Renuncia ao desejo mais cobiçado...o coração do cavaleiro indeciso.

" O coração de uma mulher"




















O coração de uma mulher compara-se a um gerador de energia.
Essa energia bem distribuida ilumina a quem por ela se aproxima.
Aproximando-se, contaminado fica.
Ficando, não terá como escapar.
Escapando, retornará mais enfeitiçado.
Enfeitiçado, todos os encantos serão satisfeitos.
E satisfeito, permanecerá.

O coração de uma mulher guarda muitos segredos.
Saudades, vontades,seduções e medos.
Os medos acabam-se com abraços,
A sedução é seu tempero,
As vontades realizadas em desejos,
E a saudade vai embora com um beijo.

O coração de uma menina é delicado,
pensa que ama e logo vira a página do diário.
O coração de uma meretriz é uma porta sem chave.
entra quem aberto achar primeiro, e sai sem ser notado.

O coração de uma esposa é domador.
Precisa usar de laço e acaba dando nós falsos.
O coração de uma cigana pertence a um só pretendente,
mas tem no íntimo por outro um fogo ardente.

O coração de uma musa é uma história contada pelos deuses,
encantador pelo fascínio,porém nada revelador.
O coração de uma sedutora não deve ser levado á sério,
ela ama ser amada, e amada vai seguindo em frente.
O coração de quem vos fala por mistérios, tem segredos na lingua dos amantes,
exala perfume, encantos, paixões e são relíquias permanentes.

quinta-feira, 6 de janeiro de 2011

"Esperança"
















Ainda era noite...
Em volta da carruagem ouvía-se o canto do lamento cigano.
Não sabía-se  ao certo quem cantava...mas a dor
que aquela melodia entoava,doía,matava!
Ela, rodopiante,atrevida...bailava.
A brisa fria da madrugada beijava sua saia, e a terra gelada, com o calor dos seus pés se acomodava.
Ninguém conseguia entender como nunca parava...seu corpo contornavá-se por entre todos que á admirava! Esperança.
Esse foi o nome mais desejado!
Poderoso e atrevido,forte e determinado!
 Em seus cabelos a fita esverdeada,
No seu quadril um demônio a comandava.
Ninguém poderia deter seus encantos... Esperança era malvada!
Não tecia planos para o futuro,
Não foi prometida como tantas outras,
Não usou de ponderação com as palavras, mas sabia prender um homem apenas com um olhar!
Sabia destilar seu veneno num sorriso malicioso!
Em suas mãos o malabarismo que a tudo girava,
Em suas coxas muitos perderam-se sem volta!
Mas havia um homem que a ela não se rendia...que era o único que a dominava!
Em seus braços tornáva-se criança,não tinha poderes, ficava desarmada!
Em seu colo chorava as desventuras...não queria ser adulta,queria ficar alí.
Em seus beijos demonstrava verdade,cantava o amor e esperava ser resgatada.
Mas ao final de cada noite, lá estava solitária a bailar,
O homem dominante a ela não se entregava.
Finalmente cansada de tanta espera, adormecia sob as cinzas da fogueira.
Dizem que ela virou uma lenda...que vive a enfeitiçar os homens por onde passa,
Dizem que não encontrou a morte..a morte por ela não se encantava,
Dizem que Esperança vive a vagar...buscando por entre tantas faces a do seu amado,
Dizem que ela nunca desistiu!
Que seu nome é uma profecia...a cigana que sempre foi livre!
Buscando seu amor que ainda a mantém viva!

" O Homem em você"









Expressar um homem por palavras requer sabedoria!
Ainda mais quando não se tem indícios reais em mãos,
Falar de um homem que não se conhece precisa cuidado!
ainda mais se ele superar os fatos, nos quais se possa imaginar.
Tenho em mente vagas suposições, que perdoem os Don juans..você os supera á todos!
Sua linguagem morna encanta as inocentes, mas quem tem malícias na mente, por ti não se engana!
Presumo que tua estatística seja alta...nos acordes de teu coração há várias notas tocadas.
És um exímio jogador, pode-se notar...tem em mãos as cartas certas, e na manga esconde o"As."
Libertá-se com astúcia de tuas libélulas ,que a ti nada despertam!
Prefere as misteriosas,que fascinam! Estou quase certa.
Quisera eu, simples mortal entender o coração de um homem feito a ti,
traçaria plano perfeitos para te neutralizar,
vendaria seus olhos para que não pudesses enxergar,
seus pés com fortes laços trançaria,
suas mãos algemas constantes, e chaves... nem pensar!
Se eu bem entendesse, um coraçaõ de um homem feito você...falaria de coisas que talvez nunca tivese ouvido...
Do mar que precisa ser admirado,
Da noite que não vive feliz sem estrelas,
De um colo que precisa estar presente,
de lembranças que nunca deveriam ser esquecidas,
do perdão que negastes algum dia,
do amor que negligenciou no momento mais difícil..
E pediria perdão pela minha ousadia...mas meu coração teve visões que não deveriam...
De que precisa refletir e voltar ao tempo...sondar seus pensamentos e trazer de volta quem te merecia. (Meu amigo Dedinha)

" Acalanto"



Quase nada sei de você.
Apenas seu nome e algumas pétalas que deixa cair vez em quando...
Flor encantada, mulher que sonha acordada.
teus encantos são visíveis como a aurora em plena madrugada...
seus desejos pedem acalanto,
que enxuguem seu pranto.
espécie selvagem quase extinta na floresta...ainda não foi colhida por mãos corretas.
Haveria de teu coração bailar por entre as abelhas, ser sugado o mel que de ti goteja...e teu homem vir ao encontro teu.
Espera, toda dor de ti se espantará, mais sejais forte e lute!
Quem te encanta,és um encanto...mas todo canto vem acompanhado de algum pranto, uma letra dolorosa, porém bela.
Não acredito que desistas facilmente, sei o que tens em mente e podes acreditar...
Uma cigana que não te conhece, leu tua sina pelas simples palavras que destes...
e num compromisso escrito pela amizade...te deseja, de verdade...que seja feliz ao lado de teu futuro amado.    ( Ao anjo Driii)

terça-feira, 4 de janeiro de 2011

" O PÓLEM PROIBIDO"



Você jamais conseguirá me enxergar! Não da maneira que sou.
Você me faz derramar o líquido mais precioso que ainda posso guardar...lágrimas,
quando diz palavras sem sentidos exatos,
quando me reduz a trapos,
quando se faz de eloqüente,mas na verdade é um carrasco!
Abriu uma chaga profunda por duas vezes,covarde e incrédulo...
não consegue ver o que lhe tem nas mãos.
Não tem forças para girar a chave, que abrirá as portas do abismo que tanto deseja cobiçar.
Estás perdendo a luminosidade que havia em suas digitais...e quando direcionava me energizava.
Agora só sinto espinhos pelo corpo, um iceberg ao invés de possíveis beijos.
Tenho sido cúmplice das suas fantasias, que disfarsam a tua realidade ... cambaliante, sem passos definidos.
Dei-te meus maiores segredos,
Abri a caixa do futuro aos seus pés,
Tornei-me escrava de tua espera,
Fui irmã,amiga, quase amante,
Fui insensata, perdendo a compostura.
Mas de uma coisa tenho certeza, não pôdes me derrotar.
Como uma colheita programada,tenho formas de não deixar meus frutos morrerrem.
Sou uma mulher dos ventos,
veloz e constante.
Estarei certamente passando adiante...arrastando comigo novas sementes, o pólem proibido.

domingo, 2 de janeiro de 2011

" As chuvas em mim"


As chuvas em mim não possuem o poder de apagar a chama infinta.
E continuam a cair,caindo e caindo sem trégua.
meu corpo ainda não pode controlar todas as emoções variadas que o consomem...e devoram,devoram e devoram.
Fome instinta,desejo desenfreado,notas dedilhadas em corpos invisíveis.
Capacidade de invadir pensamentos,tornar calmaria em tormentos...perversão!
Acabe comigo!Não aguento mais essa chuva que não penetra,que não refresca...só chega, ameaça e evapora.
Minhas chagas não se fecham,minhas dores já não tem cura!
Sou uma enferma de um coração em cicatrizes sangrando,sangrando e sangrando!
Vagando como um espéctro,varo as madrugadas procurando salvação. Não sou vista,e se me acham...logo desapareço.
Quero ser encontrada apenas por aquele, que como eu ...deseja também ser resgatado
Maldita e bendita foi a hora em que te conheci...
foi a hora em que te plantei dentro de mim,
e a hora que tentei te arrancar... e não consegui.
Essa chuva dolorosa existe apenas dentro de mim...por isso não me libera desse ardor, só inunda meu peito...matando afogada,em lágrimas.
Sem rumo continuo a te seguir,
Sem paz permito continuar a existir,
Sem coerencia deixo-me perdida em pensamentos indecisos,
E sofro,
E canto um canto fúnebre,
E sou pranteada pelos ventos solitários,
E desço para a cova dos meus abismos secretos...e lá fico,...intocável