segunda-feira, 21 de março de 2011

"EUTANÁSIA"







Eutanásia por favor!
Grita meu inconsciente após ouvir a confissão dos meus lamentos!
Desejando uma saída letal para não aceitar.
Depois de digerir tantos sinais...custo a crer que estou revivendo o mesmo filme!
Nas entranhas do meu ser, vive uma mulher em busca de suavidade, repouso...não batalha.
Tudo tem se revelado aos poucos...e não sei o que poderá vir de encontro ao muro!
Como uma onda gigante em mares revoltos,minha mente desgorvenada não encontra resgate.
Queria de fato encontrar uma bússula que me desse uma rota suave! Mas nem sei se devo ser resgatada... o cansaso me aniquila.
Não vejo saída para o que sinto agora,queria estar desmemoriada...não lembrar de certos momentos, passar uma borracha.
Caminhos estranhos se cruzam não por mero acaso...
São planejados por uma força maior, que nos põem em discussão,frente ao abismo ...e como segurar?
Estou soltando palavras ao vento, esta doendo preciso dizer...quero correr!
Mas como fazer agora que está aqui? Dentro da minha mente são tocadas suaves melodias e trágicas revelações! Sim.
Sim, ao menos para mim!
Não tenho o atrevimento de percorrer teu passado e espantar as aranhas...sabes bem que elas povoam até os palácios!
Peço perdão!
Não por saber do vinho derramado...mas pelo cálice que trago agora e lhe ofereço!
Não o aceites. Meu veneno pode perturbar-te! Mas se insistes, embriague-se!
Mas não associo esse encontro em nós. Queria poupar-te!
 Não adubes em terreno árido! Tens coragem?
As piores colheitas vem de estações contrárias.
Estou pedindo eutanásia, e você pode ajudar!
Naõ permitas que eu destrua nossas noções de equilíbrio...serás capaz de abrir janelas no céu, e deixar a razão entrar.