sexta-feira, 19 de novembro de 2010

" Fuga"






Amanheceu enfim...

As horas infinitamente não passavam...e eu, atordoada em meio a pensamentos perdidos.

Rolando por sobre os cobertores,

desejando rasgar o peito e não possuir mais um coração.

Naõ quero mais sentir essa euforia,

naõ estou preparada para tirar o véu que cobre meus instintos, que me deixariam vulneráveis.

quem poderá entender-me? Estou desejosa de vencer meus anseios...mas, sinto um medo,uma espécie de sensação de invasão.

Nunca me senti tão dominada, estou a ponto de perder os limites que me fariam frear...Você!

Sim, por mais que eu possa negar...

a pele sentiu arrepios,

o corpo inteiro dançou uma valsa triste e solitária,

febril e com a garganta seca só sentia fome... de você, de dizer o por quê de tamanha fuga.

Não quero que me perca de vista,não me detenhas...sou uma mulher que preciso ter limites também.

Não devemos chegar á Marte tão rápido...podemos nos queimar intensamente, sabe do que falo... somos quentes!

O inferno me fez um convite para que não o deixasse ontem...quase cedi.

Sem você parece agora que não encontro paz,

Tirou-me o equilíbrio que precisava, não esperava que meus pensamentos só tivessem uma visão...você!

Angustiada e dolorida seguirei em frente, sou uma destemida ...quando preciso ser.

De todas as minhas fontes de inspiração, a que mais chamou-me atenção por mero detalhe...foi você.

Não precisou amar-me,

Não queria ser amado,

Apenas ama o amor!

Não queria saber meu passado,

Apenas viver a glória de expressar o prazer...

De ter uma missão ... desvendar passo a passo meus secretos desejos... e depositá-los em suas mãos.