domingo, 21 de novembro de 2010

" Um último Adeus"




Sinto tanto frio! Sinto tanta saudade!

Ainda me recordo quando segurando Sua mão...mostrou-me o balancinho que fizera.

Senti uma alegria tão grande que corri e chorei. Jogada na cama,com as mãos na face,sem entender.

Até pouco tempo atrás, não entendia porque sempre que ganhava algo de que gostava,corria para a cama e chorava.

É estranho, não sei ao certo quantas vezes repetir esse gesto.

Mas de que adianta tentar entender o por que das coisas. Tudo é tão incerto!

Somos tão egoístas! Mascarados,insensatos por demais.

Sempre soube que o não teria por perto. Meu herói,digno, honesto.

Sinto tanta falta! Ninguém imagina o que guardo dentro de mim, as lembranças mais simples da tua dedicação.

Os momentos eternos á admirá-lo mostrando-me sua escultura tão perfeita ,feitas por suas mãos num momento mágico.

Das tuas palavras estranhas ao meu ouvido infantil, tua língua estrangeira.

Mas o tempo passa, as coisas de criança também. Tornei-me mulher e tua representação!

Observei todos os teus passos e mantive seus conceitos...fui doce,amiga,forte e simples...assim como tú.

Nossos caminhos tantas vezes tornaram-se vazios, uma espera dolorosa que nunca acabava.

O tempo nosso maior inimigo tinha pressa!

Minhas forças quase esgotadas pedia socorro...tempo.

Não fui dona do relógio da vida, não pude parar os ponteiros que lhe empurrava para o desfecho final.

E então...como um ser supremo digno de todas as honras, descansou aos pés da tua mãe.

Agora estou eu aqui...Contemplando essa lâpide que descansa teu corpo inerte, que tantas vezes esteve altivo.

Sinto frio, você não está aqui...Cheguei tarde em terras estranhas, para dar um último adeus,
Pai.

sexta-feira, 19 de novembro de 2010

" Fuga"






Amanheceu enfim...

As horas infinitamente não passavam...e eu, atordoada em meio a pensamentos perdidos.

Rolando por sobre os cobertores,

desejando rasgar o peito e não possuir mais um coração.

Naõ quero mais sentir essa euforia,

naõ estou preparada para tirar o véu que cobre meus instintos, que me deixariam vulneráveis.

quem poderá entender-me? Estou desejosa de vencer meus anseios...mas, sinto um medo,uma espécie de sensação de invasão.

Nunca me senti tão dominada, estou a ponto de perder os limites que me fariam frear...Você!

Sim, por mais que eu possa negar...

a pele sentiu arrepios,

o corpo inteiro dançou uma valsa triste e solitária,

febril e com a garganta seca só sentia fome... de você, de dizer o por quê de tamanha fuga.

Não quero que me perca de vista,não me detenhas...sou uma mulher que preciso ter limites também.

Não devemos chegar á Marte tão rápido...podemos nos queimar intensamente, sabe do que falo... somos quentes!

O inferno me fez um convite para que não o deixasse ontem...quase cedi.

Sem você parece agora que não encontro paz,

Tirou-me o equilíbrio que precisava, não esperava que meus pensamentos só tivessem uma visão...você!

Angustiada e dolorida seguirei em frente, sou uma destemida ...quando preciso ser.

De todas as minhas fontes de inspiração, a que mais chamou-me atenção por mero detalhe...foi você.

Não precisou amar-me,

Não queria ser amado,

Apenas ama o amor!

Não queria saber meu passado,

Apenas viver a glória de expressar o prazer...

De ter uma missão ... desvendar passo a passo meus secretos desejos... e depositá-los em suas mãos.

quarta-feira, 17 de novembro de 2010

" Um sonho perfeito"






Sentada no no leito sagrado dos amantes, mirando teu corpo adormecido e entregue.
Um sorriso no canto da boca, e o gosto fresco dos teus beijos ainda a deixar-me louca! Contemplo a imagem perfeita,digno de semelhança da obra mais completa que Michelângelo esculpio.

Suas mãos meu amado, com um deslizar suave ...lembra o tocar de um violino, a entoar melodias gitânicas.
Suas pernas, ah!... suas pernas verdadeiras colunas que sustentaram o templo de salomão.
Seus dedos a dedilhar-me por inteira tocando melodias de prazer, num frenesi estérico!
Meus cabelos deslizando-o por inteiro, semelhante ao cobertor que te envolve e aquece!
Minhas coxas amado, entrelaçando teu ventre feito serpentes numa dança selvagem!
Tocando em meus lábios, a faca afiada que é sua língua,deixo escorrer o sangue doce que tanto quer!
Em minhas mãos agarro teus cabelos,envolvendo-o contra o meu peito e grito que te quero!
Não te largo um só instante, te abraço forte, canto ao seu ouvido a música afinada dos amantes.
Enquanto unidos numa só linguagem, os sussurros inquietos tornan-se mais constantes!

Tu me olhas e enxergar-te a ti mesmo! Somos um nesse momento, somos sangue e artéria,somos belos,somos "volúptia" !
Em tuas mãos tens a fruta mais doce da estação, o cálice perdido e tão desejado,as pérolas de Málaga.
Mais... ainda dormindo desse sonho prometido,deito-me ao teu lado e fecho os olhos para não acordar!


















segunda-feira, 15 de novembro de 2010

" Súplica "


Espere um pouco... não vá ainda, tenho medo! Deixe-me ao menos terminar esta súplica ao criador.
Trancada em minha clausura,em meios as teias que adornavam aquele ambiente sombrio, falava com meu reflexo no espelho e...murmurando palavras deconexas, sentia tremores e expectativas.
Lá fora, a noite solitária feito eu, admirava o luar encoberto pelas negras nuvens.
Clamava aos prantos, que me enviasse um anjo...um salvador! Que me tiraria desse encanto, quebrando as algemas e me levasse para longe se assim fosse.
Os Olhos úmidos e o coração partido, olhando pela janela a dança das folhas nas árvores.
Como queria ser folhas! Folhas não choram,não amam,não esperam. Simplismente caem na hora certa e são arrastadas sem destino.
E eu, Quem me leva? Sou esposa da solidão dolorida e passiva!
Sou uma Eva... culpada e banida,
Sou uma Salomé...esperando na bandeja, por um coração despedaçado.
Sou Roxana... que lutou invejosa por um amor não correspondido.
Sou mais uma sonhadora... em tempos de guerra, uma Helena de tróia!
Posso ser quem minha vida designar, já fui todas elas e meu tempo não cessou.
Da minha torre sou um conto épico esperando ser contada,aclamada,lembrada!
Da minha oração contínua sai lágrimas,esperança de ser novamente encontrada.
Da minhas noites febrís, procuro o bálsamo para minhas enfermidades .
As vezes me entrego cansada, ao sono que vela meu semblante vazio...porque foram tantas mulheres que vestí, foram tantas paixões impregnadas.
Foram tantas promessas esquecidas... e acabei aqui,nessa torre trancada a te esperar... sem um rosto!

" Ecos "






Sinto o vento gelado a bater em meu rosto pálido,sombrio e triste!
Escuto aos pés da imensa pedra,os ecos fúnebres das ondas num vai e vem sem fim.

O ar cinzento da tarde,me trás lembranças dos tempos em que era apenas uma criança...pés descalsos,risos soltos a ressoar pelos ares.

Onde se perdeu tudo isso? Não encontro mais a larva que rastejava na terra molhada, ou a raposa imponente que rasgava seu olhar faminto, á certa distância .

Quero viver minhas boas lembranças! Quero sair de manhã cedo,deitar nas folhas secas do outono e sentir o cheiro da torta, de todas as tardes!

Não sou mais aquela criança. Sou uma doidivana...mulher vazia,beirando a loucura de divagar em imagens perdidas.

Tudo é tão incerto...quarto sombrio,uma luz de vela aos fundos, o meu expectro gemendo de dor!

Pareço-me agora um quadro de Monet, que de tão belo no passado,perde-se as cores,foi largado num canto úmido e empoeirado deixando-lhe desfigurado...imagem da solidão.

As memórias do que vivi são belas! Mas as que reneguei ,são fantasmas arrependidos!

Daria tudo para acordar ! Faria de tudo para trazer minha vida de volta...calma,serena, como outrora.

De novo ouço os ecos...pássaros entrépitos a romper as nuvens numa dança de migração,estalos de alguns galhos feitos por animais correndo...e, posso ouvir muita coisa agora, estou sozinha em meus pensamentos, queria ouvir seus passos, "Vida", que faço agora?

sábado, 13 de novembro de 2010

"Psique"


Ó amado entre os deuses...dou-te as mais belas pérolas que caem dos olhos meus.
Entre os mais adorados estas tú... estátua magestosa do museu encantado de meus devaneios.
Que há por dentro desse teu peito? Lâmina afiada ,que corta por etapas minhas esperanças.
Sou deusa, sou a filha pródiga que sai a te procurar, como as sentinelas dos jardins da Babilônia.
Teu encanto é minha pressa e quanto mais espero me acelera a paixão.
Vasta dor, me espreita a escuridão...quarto frio,sem estrelas, lembrando as làpides que repousa as virgens enterradas por desilusão.
Tenho sede, e não encontro o líquido abundante que o doce dos teus lábios me negas, há meu amado!
Sairei a buscar-te. Se souberes do meu amor, das minhas reais intenções...não vacilarás, jamais!
Devastarei,se preciso for territórios distantes,mares, e vulcões...serei uma serpente pelos desertos, uma fenix a voar.
Sei de teu passado,dos teus anseios e remorsos...sei que desejas amar e ser amado e que escondes uma face que tento encontrar.
Abismo secreto que seus olhos não mostra...véu de desilusão,até quando?
O amor clama por nós, os invejosos morrerriam do próprio veneno se assim fosse.
Pra que esperar? não sei se resisto por muito tempo! Tenho pressa, tenho sangue,tenho um quadro imaginário....pintado "Você".
Sou uma sobrevivente das correntes tortuosas das paixões, sou Psique e quero meu Eros...vou desbravar montanhas e chegar ao braços teus.

quinta-feira, 11 de novembro de 2010

Encontros












Há encontros vendavais e...

encontros brisas,

Há desejos de conquistas e...

desejos banais,

Há permissão de entrar em nossa vida e...

descaso ao sair sem dizer nada,

Há um desejo de morte quando se perde quem ama ,mas ...

um desejo de encontrar alguém que nos ame de fato,

Há um medo terrível de viver novas aventuras e...

perde-se a chance de ser feliz como nunca!

Há desafetos que nos marcam,corroem,mutilam,mas...

existe um remédio esperando para ser bebido,

Há uma impressão que persiste na barreira de encontrar um novo amor,mas...

um novo coração está louco para ser resgatado,

Há pessoas belíssimas querendo cantar ao nosso ouvido, e ... tem músicas que embalarão nossa dança,

Há uma fé incondicional de encontrar o ser perfeito, mas...perfeito é quem se entrega verdadeiramente,

Há você que me lê agora,querendo descobrir os segredos da felicidade e não permite-se correr riscos,Tente!

Há no mundo uma passagem que não se compra,viaja-se á todo instante,compartilha-se no íntimo,eleva-se em pensamentos e... de repente sem perceber,estará embarcando em alguma história que nem imaginaria !